RSS

Regional recebe mais uma locomotiva Locomotiva GE 45Ton

A Regional Sul de Minas recebeu esse mês mais uma locomotiva Ge 45ton; dessa vez, a mesma foi cedida a nós pela CODESP (Companhia Docas do Estado de São Paulo) em uma parceria, que além dela, inclui a atualização do contrato de cessão da locomotiva Manuela (que hoje se encontra em São Lourenço). Em troca a ABPF vai fazer a restauração cosmética da locomotiva Lavoura, uma pequena locomotiva a vapor, 0-4-0, “irmã” da Manuela, além de construir uma pequena gare para o abrigo da Lavoura no pátio do museu da CODESP em Santos. Após visitas para verificação da locomotiva e tratativas burocráticas a locomotiva foi desmontada e transportada por carreta até o pátio de Cruzeiro onde já se encontra nos trilhos e junto com as outras duas locomotivas de mesmo modelo adquiridas pela regional no final de 2015.

1380419_10200721701737418_307612142_n

A locomotiva ainda em operação no porto de Angra dos Reis em outubro de 1991; foto gentilmente cedida pelo Eliezer Magliano

DSC02261

Quando chegamos para verificar a locomotiva em julho de 2014 ela estava assim: fechada dentro de um cercado metálico para proteção; os operários iniciaram então a remoção do mesmo para a locomotiva pudesse ser inspecionada

DSC02282

Após a remoção do cercado, pudemos ver a locomotiva

A operação de retirada da locomotiva durou no total 3 dias, iniciou-se no dia 10 de Maio quando o pessoal da ABPF foi ao local preparar a locomotiva para o içamento, no dia seguinte foi feito o carregamento da locomotiva na carreta e finalmente no terceiro dia, a locomotiva foi entregue em Cruzeiro.

WP_20160510_15_52_02_Pro

Equipe da ABPF preparando a locomotiva para o içamento sem os truques

WP_20160511_11_44_10_Pro

Içamento da locomotiva com dois guindastes para remoção dos truques

WP_20160511_11_44_23_Pro

Após içada e estabilizada, iniciou-se o reboque dos truques para fora

Para a operação de transporte foi necessário o aluguel de dois guindastes, um caminhão munck (para fazer o içamento dos truques da locomotiva), uma carreta prancha (para o transporte da locomotiva) e um caminhão comum (para o transporte de trilhos e ferramentas usados na operação).

WP_20160511_11_54_02_Pro

Um dos truques já removido e rebocado aguardando embarque na carreta

WP_20160511_12_13_28_Pro

Um caminhão munk foi utilizado para embarcar os truques na carreta

WP_20160511_12_16_14_Pro

Um dos truques sendo posicionado nos trilhos instalados na carreta

WP_20160511_13_01_08_Pro

Após a colocação dos truques nos trilhos instalados na carreta, foi a vez de recolocar a locomotiva sobre eles

WP_20160511_14_34_47_Pro

Carregamento concluído e a locomotiva já deixando o porto

WP_20160512_17_20_23_Pro

WP_20160512_17_37_04_Pro

Chegada no pátio de Cruzeiro: ela foi recebida pela “Rebeca”, uma das locomotivas adquiridas no leilão de dezembro de 2015 e recebidas pela regional no início desse ano; a mesma já estava operacional e foi então utilizada para desembarcar a locomotiva recebida de Angra dos Reis

Agradecemos ao Tharles Alves de Angra dos Reis que nos ajudou com os primeiros contatos no Porto de Angra e ao Eng. Antônio Carlos da Mata Barreto, que foi a pessoa da CODESP que cuidou de toda a burocracia e pacientemente, fez tudo acontecer. O processo todo se iniciou em 2014 e foram necessários praticamente dois anos para se concretizar todo este trabalho.

 
6 Comentários

Publicado por em 7 de junho de 2016 em Uncategorized

 

Locomotivas GE 44 Ton

A Regional Sul de Minas adquiriu em dezembro de 2015 duas locomotivas diesel-elétricas da Sobel/Tiplam através de leilão. Devido ao recesso de fim de ano, a burocracia só pode ser resolvida em janeiro de 2016 e após isso ficamos aguardando até que fossem liberadas as manobras das duas no pátio do porto de Cubatão, onde contamos com o apoio da VLi que as rebocou até o ponto onde os caminhões podiam chegar para embarcá-las.

WP_20160305_12_55_02_Pro

Foram necessários dois grandes guindastes para realizar o içamento das locomotivas e colocá-las sobre as carretas

Processo de embarque da "Joana" e a mesma já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro; foram necessários dois grandes guindastes para realizar o içamento das locomotivas e colocá-las sobre as carretas

A “Joana” já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A "Rebeca" já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A “Rebeca” já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A "Rebeca" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Rebeca” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Rebeca" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Rebeca” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Joana" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Joana” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Joana" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Joana” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

As locomotivas, denominadas “Rebeca” e “Joana”, são do modelo GE 44 Ton e possuem respectivamente as bitolas de 1,00m e 1,60m. Infelizmente ambas não possuem mais as placas de fabricação e informações com relação a procedência delas são inexistentes até o momento.

Desembarque da "Joana"

Desembarque da “Joana”

Desembarque da "Joana": a Sentinel 167 foi utilizada como "vagão madrinha" entre a "Camila" e ela

Desembarque da “Joana”: a Sentinel 167 foi utilizada como “vagão madrinha” entre a “Camila” e ela

A locomotiva “Rebeca” está operacional, tendo inclusive sido ligada após o desembarque e uma checagem completa; deslocou-se por todo o pátio sem problemas.

Já a locomotiva “Joana” está parcialmente desmontada; ela estava passando por uma reforma que não chegou a ser concluída.

A  "Joana" já desembarcada no pátio de Cruzeiro com a Sentinel 167 utilizada como "vagão madrinha" entre a "Camila" e ela para as manobras

A “Joana” já desembarcada no pátio de Cruzeiro com a Sentinel 167 utilizada como “vagão madrinha” entre a “Camila” e ela para as manobras

Em breve ambas passarão por reforma e a tendência é que a “Rebeca” siga então para Passa Quatro e auxilie os trabalhos no Trem da Serra da Mantiqueira. O destino da “Joana” ainda vai ser estudado.

 
6 Comentários

Publicado por em 23 de março de 2016 em Uncategorized

 

Reforma e requalificação da estação de Soledade

Após mais de 10 anos de operação do Trem das Águas, a ABPF Regional Sul de Minas conseguiu a autorização da prefeitura de Soledade de Minas para ocupar a estação. Com isso, iniciou-se de imediato a reforma, de forma a revitalizá-la e a tornar segura bem como criar a infraestrutura necessária para atendimento do público.

Cabe salientar que toda essa obra foi custeada com recursos próprios da ABPF, provenientes das passagens do trem, e não houve qualquer ônus para prefeitura ou comunidade.

foto_001

Aspecto da estação antes do início das obras

O antigo museu que funcionava na estação também será revitalizado, com a organização das peças e exposição das mesmas de forma adequada, o que não acontecia anteriormente.

Os trabalhos se iniciaram pelo revestimento das paredes (reboco), o qual apresentava trincas, manchas de umidade e muitos remendos. Foi feito então o descascamento total de todas as paredes, com substituição de toda a instalação elétrica e hidráulica e um novo revestimento foi feito; aproveitou-se essa etapa para se resgatar alguns aspectos originais da parte mais antiga do prédio, como as sobrevergas das esquadrias em tijolos aparentes.

Descascamento das paredes concluído

Descascamento das paredes concluído

Novo revestimento sendo executado; todos os relevos foram refeitos bem como as sobrevergas das esquadrias em tijolos aparentes foram recuperadas

Novo revestimento sendo executado; todos os relevos foram refeitos bem como as sobrevergas das esquadrias em tijolos aparentes foram recuperadas

Em seguida, passou-se para o telhado, onde o mesmo foi totalmente desmontado, uma vez que telhas e peças de madeira estavam bastante deteriorados. Toda a estrutura foi refeita com novas peças de madeira e a vedação feita com novas telhas cerâmicas, de tipologia idêntica as antigas.

Aspecto do telhado antes do início das obras, com diversas telhas quebradas/faltantes; nota-se a ondulação devido às peças de madeira da estrutura comprometidas

Aspecto do telhado antes do início das obras, com diversas telhas quebradas/faltantes; nota-se a ondulação devido às peças de madeira da estrutura comprometidas

Estrutura do telhado sendo refeita com peças de madeira novas; notar que o novo revestimento das paredes já estava concluído

Estrutura do telhado sendo refeita com peças de madeira novas; notar que o novo revestimento das paredes já estava concluído

Novo telhado e novo revestimento das paredes já concluídos

Novo telhado e novo revestimento das paredes já concluídos

Aspecto da fachada da estação, com o novo revestimento da parede e as sobrevergas em tijolos aparentes recuperadas; em primeiro plano uma das novas janelas seguindo o modelo das antigas, fabricadas na marcenaria de São Lourenço

Aspecto da fachada da estação, com o novo revestimento da parede e as sobrevergas em tijolos aparentes recuperadas; em primeiro plano uma das novas janelas seguindo o modelo das antigas, fabricadas na marcenaria de São Lourenço

Portas e janelas estão sendo refeitas em nossa marcenaria em São Lourenço, seguindo-se o modelo das antigas.

Na parte interna, onde antes funcionava um bar, está se trabalhando para criar uma sala de espera para os passageiros do trem que hoje não tem um local para descansar/aguardar a partida do trem a não ser a feira de artesanato. Já estão concluídos os novos e amplos banheiros, adequados ao grande fluxo de pessoas, uma antiga demanda dos passageiros do trem que sempre questionaram a ausência de sanitários adequados no local. Outra preocupação foi oferecer sanitários aptos a receber portadores de necessidades especiais.

Início das obras de construção do novo banheiro feminino; o antigo banheiro, além de não oferecer condições higiênicas adequadas, era muito pequeno e por consequência não conseguia absorver a demanda foi ampliado

Início das obras de construção do novo banheiro feminino; o antigo banheiro, além de não oferecer condições higiênicas adequadas, era muito pequeno e por consequência não conseguia absorver a demanda foi ampliado

Aspecto do banheiro feminino já concluído, com revestimento e piso cerâmico, saídas para escoamento d’água para facilitar a limpeza, cabines individuais para os vasos sanitários separadas da área dos lavatórios garantido condições adequadas de higiene

Aspecto do banheiro feminino já concluído, com revestimento e piso cerâmico, saídas para escoamento d’água para facilitar a limpeza, cabines individuais para os vasos sanitários separadas da área dos lavatórios garantido condições adequadas de higiene

Fraldário instalado no banheiro feminino

Fraldário instalado no banheiro feminino

Início da construção do novo banheiro masculino; mesmo caso do feminino: o antigo banheiro, além de não oferecer condições higiênicas adequadas, não conseguia atender a demanda existente

Início da construção do novo banheiro masculino; mesmo caso do feminino: o antigo banheiro, além de não oferecer condições higiênicas adequadas, não conseguia atender a demanda existente

Aspecto do banheiro masculino já concluído com revestimento e piso cerâmico, saídas para escoamento d’água para facilitar a limpeza, mictórios individuais com divisórias; os vasos sanitários também possuem cabines individuais e são separadas da área dos lavatórios garantido condições adequadas de higiene

Aspecto do banheiro masculino já concluído com revestimento e piso cerâmico, saídas para escoamento d’água para facilitar a limpeza, mictórios individuais com divisórias; os vasos sanitários também possuem cabines individuais e são separadas da área dos lavatórios garantido condições adequadas de higiene

Aspecto dos lavatórios, presentes em ambos os banheiros, dotados de espelhos e saboneteiras individuais

Aspecto dos lavatórios, presentes em ambos os banheiros, dotados de espelhos e saboneteiras individuais

Em breve a sala de espera e o museu serão concluídos e abertos ao público.

Aspecto da fachada da estação; novo telhado, novo revestimento das paredes e nova pintura

Aspecto da fachada da estação; novo telhado, novo revestimento das paredes e nova pintura

Todo este trabalho de reforma e requalificação, elaborado seguindo os preceitos de preservação, visa garantir a salvaguarda do edifício histórico bem como adequá-lo às necessidades atuais, garantido a usabilidade que é um fator de extrema importância para se viabilizar a manutenção de bens históricos como esse.

 
8 Comentários

Publicado por em 4 de janeiro de 2016 em Uncategorized

 

Transporte das Locomotivas Sentinels

Após nove meses de negociação a ABPF e a Maxion Componentes Estruturais chegaram em um acordo quanto as Locomotivas Sentinels.

Em resumo: estas locomotivas a vapor foram fabricadas pela Sentinel Wagon Works, empresa inglesa que em 1931 fabricou três locomotivas com caldeira vertical para a SPR (São Paulo Railway), que eram utilizadas para manobras por esta ferrovia. Estas locomotivas foram vendidas para a FNV (Fabrica Nacional de Vagões) em 1959. Assim foram então transferidas para Cruzeiro – SP, onde trabalharam até outubro de 2014, quando foram definitivamente desativadas.

Com a desativação destas, a ABPF iniciou imediatamente conversações com a empresa quanto a preservação destas locomotivas e após uma longa negociação, a empresa aceitou uma das inúmeras ofertas de compra que a ABPF fez. Na compra estavam incluídas as duas locomotivas (a terceira locomotiva foi sucateada pela FNV décadas atrás), o tanque de óleo usado no re-abastecimento e o estoque de óleo BPF existente.

Apesar da preservação destas locomotivas ser algo para se comemorar, o fim do uso destas significa também o fim do uso comercial de locomotivas a vapor no Brasil e do ultimo uso comercial de locomotivas Sentinel no mundo.

Para saber mais detalhes sobre a história delas, visite a página: Locomotivas Sentinel

Com o acordo de compra fechado, iniciou-se a operação para transporte, sendo que a ABPF precisou alugar uma carreta e foi necessário utilizar dois guindastes da própria Maxion para colocar as locomotivas na carreta. Para descarregar as mesmas em Cruzeiro, foi preciso construir uma rampa para desembarque com bitola mista:

Inicio do construção da rampa

Inicio do construção da rampa

Dormentes no lugar e trilhos de bitola larga também

Dormentes no lugar e trilhos de bitola larga também

A rampa já tomando sua forma final

A rampa já tomando sua forma final

Com o terceiro trilho e praticamente pronta

Com o terceiro trilho e praticamente pronta

Verificando a altura em relação a carreta

Verificando a altura em relação a carreta

Com a rampa pronta, já era então possível buscar as locomotivas. Mas existe uma restrição quanto a passagem de carretas pesadas pelo viaduto na saída da Maxion, ou seja, a viagem de 1,5kms, se estendeu bastante. A rota direta é mostrada abaixo:

A rota direta da Maxion até a rampa, a seta azul indica o pátio onde elas trabalhavam.

A rota direta da Maxion até a rampa, a seta azul indica o pátio onde elas trabalhavam.

mapa_longo

E o caminho que teve que ser seguido…

 

Transporte da Locomotiva 167

No dia 26/8, por volta das 13:30hs da tarde foi iniciado o carregamento da locomotiva 167, que saiu da fabrica por volta das 14:40hs:

A locomotiva 167, logo após sair do interior da fábrica, no pátio externo, onde a equipe da ABPF removeu apito e válvulas de segurança para redução da altura.

A locomotiva 167, logo após sair do interior da fábrica, no pátio externo, onde a equipe da ABPF removeu apito e válvulas de segurança para redução da altura.

 

Locomotiva 167 logo após chegar no pátio da ABPF, aguardando que os trilhos da carreta fossem conectados ao da rampa.

Locomotiva 167 logo após chegar no pátio da ABPF, aguardando que os trilhos da carreta fossem conectados aos da rampa.

 

A locomotiva aguardando o desembarque

A locomotiva aguardando o desembarque

 

Já sem as "amarras", começando a ser movimentada

Removendo as “amarras” para começar a movimentação

 

Inicio da movimentação, com a pequena manobreira alemã. Como não existia terceiro trilho na carreta, foi preciso usar um cabo de aço para puxar a 167 até a ponta da carreta

Inicio da movimentação, com a pequena manobreira alemã. Como não existia terceiro trilho na carreta, foi preciso usar um cabo de aço para puxar a 167 até a ponta da carreta

 

A 167, logo após o desembarque

A 167, logo após o desembarque

 

Locomotiva 167, guardada no pátio da ABPF

Locomotiva 167, guardada no pátio da ABPF

Transporte da Locomotiva 166

No dia 27/08/2015 a carreta foi novamente enviada a Maxion, desta vez logo pela manhã por volta das 08:00hs. Em torno das 09:15 a mesma já estava no pátio externo da Maxion, quase pronta para seguir viagem:

Locomotiva 166, no pátio externo da fábrica onde a ABPF instalou um "pantógrafo", para evitar que ela enroscasse em fios.

Locomotiva 166, no pátio externo da fábrica onde a ABPF instalou um “pantógrafo”, para evitar que ela enroscasse em fios.

 

Atravessando a ponte sobre o Rio Paraíba

Atravessando a ponte sobre o Rio Paraíba

 

O "pantógrafo" em ação!

O “pantógrafo” (cata-fios) em ação!

 

No trevo da copa, indo fazer o retorno para pegar a estrada sentido Cruzeiro

Nos trevos da rodovia, indo fazer o retorno para pegar a estrada sentido Cruzeiro

 

Após o retorno, indo para a alça do trevo.

Após o retorno, indo para a alça do trevo.

 

Após sair da alça, agora indo em direção a Cruzeiro...

Após sair da alça, agora indo em direção a Cruzeiro…

 

Passando pelos fundos da Maxion...

Passando pelos fundos da Maxion…

 

Passando em frente as oficinas da ABPF...

Passando em frente as oficinas da ABPF…

 

Finalmente chegando na rampa...

Finalmente chegando na rampa…

 

Após chegada na rampa, a carreta foi alinhada e os trilhos conectados…

 

Alinhando a carreta com a rampa

Alinhando a carreta com a rampa

 

Detalhe do alinhamento dos trilhos

Detalhe do alinhamento dos trilhos

Infelizmente a 166 veio com um engate faltando, a Maxion forneceu um outro engate substituto, mas este não se encaixa nela. Então fizemos a tentativa de remover o engate traseiro e colocar o mesmo na frente, operação esta que contou com a apoio da BS Locações (que auxilou em toda a operação, desde a construção da rampa ao desembarque).

Ajustando o engate

Ajustando o engate

Mas infelizmente o engate traseiro é maior que os demais, só encaixando mesmo na parte traseira da locomotiva 166, então foi necessário improvisar o desembarque sem engate mesmo.

Após o desembarque, a dupla de sentinels e a manobreira diesel.

Após o desembarque, a dupla de sentinels e a manobreira diesel.

 

As duas sentinels reunidas novamente.

As duas sentinels reunidas novamente.

 

A 166, no seu novo lar!

A 166, no seu novo lar!

 

Planos Futuros

No momento não existem planos concretos quanto ao uso das locomotivas. O objetivo principal de toda operação era garantir a preservação das Sentinels, objetivo este concluído agora que ambas se encontram sob cuidados da ABPF.

É provável que em 2016 sejam iniciados trabalhos de reforma das locomotivas, é importante ressaltar que a locomotiva 167 esta operacional, pois foi reformada recentemente pela Maxion. Já a locomotiva 166 teve sua reforma iniciada e não foi concluída, estando com o motor parcialmente desmontado.

As locomotivas eventualmente vão funcionar no pátio de Cruzeiro para exposição e manutenção das mesmas.

Repercussão Internacional

A notícia do resgate das locomotivas já se espalhou pelo mundo afora, já foi publicada em dois blogs:

http://sentinel7109.blogspot.co.uk/2015/08/preservation-moves-in-brazil.html

http://www.farrail-blog.com/englishposts/2994/

 

 

 

 

Tags: , , , , ,

Programação de Julho Trem das Águas

11756606_1692062524357647_1080085199_n

 
Deixe um comentário

Publicado por em 12 de julho de 2015 em ABPF, Notícias, Trem das Águas

 

Tags: , ,

Travessia Comemorativa do Túnel da Mantiqueira

No dia 8 de Julho de 2015 a ABPF fez uma travessia comemorativa do Túnel da Mantiqueira, em homenagem ao aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932.

É importante frisar que a viagem foi apenas comemorativa e que viagens regulares através do Túnel da Mantiqueira só devem ter inicio no próximo ano.

Apesar da data comemorativa ser o dia 9 de Julho, foi decidido que no dia 8 ocorreria visitação a boca paulista do Túnel da Mantiqueira, então foi decidido que seria feita também uma visitação com a locomotiva 332, pois, por se tratar de um túnel ferroviário, nada como visitar o mesmo de trem. A visita foi em parceria com o REGE (Reserva Ecoparq Garganta do Embaú).

Apesar das operações do Trem da Serra da Mantiqueira serem normalmente até a estação Coronel Fulgêncio (na boca mineira do túnel), a ABPF sempre faz inspeções periódicas e uma manutenção ocasional no túnel e na boca paulista. Mas como já se fazia algum tempo que não circulávamos com trem no mesmo, foi necessário uma inspeção mais minuciosa da equipe de via permanente, além da limpeza do mesmo.

Foram necessários quase duas semanas de trabalho, sendo que o mais evidente, é a limpeza da boca paulista:

Antes e depois da limpeza, cortesia REGE.

Antes e depois da limpeza, cortesia REGE.

Além da preparação da via permanente, foi necessário revisar todo o sistema elétrico da 332 e da composição:

Últimos ajustes na locomotiva 332 antes de partir em direção a Cruzeiro

Últimos ajustes na locomotiva 332 antes de partir em direção a Cruzeiro

WP_20150708_14_07_21_Pro

Testando o farol…

Após os últimos ajustes, o trem partiu logo após as 14:00hs em direção a Coronel Fulgêncio. Já na estação Coronel Fulgêncio, no alto da serra da Mantiqueira, foi feita uma parada para se completar o nível de água da caldeira, pois após este ponto, a linha começa a descer e a inclinação da locomotiva muda…

WP_20150708_15_06_35_Pro

Já em Coronel Fulgêncio, hora de completar o nível da caldeira…

WP_20150708_15_05_28_Pro

Tudo pronto para partir…

Após completada a água, hora de seguir viagem…

WP_20150708_15_19_23_Pro

Finalmente, já em terras paulistas, parada no marco da boca paulista do túnel!

WP_20150708_15_33_01_Pro

Um pouco da vista do local…

WP_20150708_15_20_35_Pro

Quando chegamos, já fomos recebidos por uma pequena comitiva

WP_20150708_15_21_30_Pro

Ao fundo, a boca paulista do Túnel da Mantiqueira.

WP_20150708_15_28_58_Pro

A famosa boca paulista do Túnel da Mantiqueira

WP_20150708_15_29_59_Pro

Militares que estiveram no local

WP_20150708_15_35_07_Pro

Ao fundo, parte da Mantiqueira, no fundo a direita, garganta do Embaú

WP_20150708_15_37_11_Pro

Chegada do restante da comitiva militar.

WP_20150708_15_47_53_Pro

Autoridades locais, como o Prefeito Rafic (de Cruzeiro) e o presidente da ABPF Jorge Sanches.

WP_20150708_16_00_31_Pro

E a 332 acabou ganhando uma bandeira paulista.

WP_20150708_17_09_59_Pro

Preparando o farol que foi instalado no carro

WP_20150708_17_10_17_Pro

Ultima fotografia, antes da viagem de retorno a Passa Quatro

Além das fotografias, preparamos um vídeo:

 

Tags: , , , ,

Programação para o Feriado de Corpus Christi

Maquinista voluntário Felipe Sanches

Trem das Águas

Para o feriado de Corpus Christi de 2015 teremos diversas saídas extras do Trem da Serra da Mantiqueira e o Trem das Águas, que são listadas a seguir.

Avisamos que estes são os horários confirmados até o momento, dependendo da demanda novos horários podem ser adicionados:

Programação Trem das Águas (São Lourenço)

  • Quinta (04/06/2015): partida as 10:00hs
  • Sexta (05/06/2015): partidas as 10:00hs e 14:30hs
  • Sábado (06/06/2015): partidas as 10:00hs e 14:30hs
  • Domingo (07/06/2015): partida as 10:00hs
  • Dúvidas, mais informações ou reservas, ligar no (35) 3332 – 3011

Programação Trem da Serra da Mantiqueira (Passa Quatro)

  • Sexta (05/06/2015): partidas as 10:00hs e 14:30hs
  • Sábado (06/06/2015): partidas as 10:00hs e 14:30hs
  • Domingo (07/06/2015): partida as 10:00hs
  • Dúvidas, mais informações ou reservas, ligar no (35) 3371 – 2167
 

Tags: , , ,

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.885 outros seguidores