RSS

Locomotivas GE 44 Ton

23 mar

A Regional Sul de Minas adquiriu em dezembro de 2015 duas locomotivas diesel-elétricas da Sobel/Tiplam através de leilão. Devido ao recesso de fim de ano, a burocracia só pode ser resolvida em janeiro de 2016 e após isso ficamos aguardando até que fossem liberadas as manobras das duas no pátio do porto de Cubatão, onde contamos com o apoio da VLi que as rebocou até o ponto onde os caminhões podiam chegar para embarcá-las.

WP_20160305_12_55_02_Pro

Foram necessários dois grandes guindastes para realizar o içamento das locomotivas e colocá-las sobre as carretas

Processo de embarque da "Joana" e a mesma já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro; foram necessários dois grandes guindastes para realizar o içamento das locomotivas e colocá-las sobre as carretas

A “Joana” já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A "Rebeca" já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A “Rebeca” já carregada pronta para seguir viagem até Cruzeiro

A "Rebeca" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Rebeca” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Rebeca" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Rebeca” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Joana" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Joana” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A "Joana" chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

A “Joana” chegando em Cruzeiro na tarde de 08/03/2016

As locomotivas, denominadas “Rebeca” e “Joana”, são do modelo GE 44 Ton e possuem respectivamente as bitolas de 1,00m e 1,60m. Infelizmente ambas não possuem mais as placas de fabricação e informações com relação a procedência delas são inexistentes até o momento.

Desembarque da "Joana"

Desembarque da “Joana”

Desembarque da "Joana": a Sentinel 167 foi utilizada como "vagão madrinha" entre a "Camila" e ela

Desembarque da “Joana”: a Sentinel 167 foi utilizada como “vagão madrinha” entre a “Camila” e ela

A locomotiva “Rebeca” está operacional, tendo inclusive sido ligada após o desembarque e uma checagem completa; deslocou-se por todo o pátio sem problemas.

Já a locomotiva “Joana” está parcialmente desmontada; ela estava passando por uma reforma que não chegou a ser concluída.

A  "Joana" já desembarcada no pátio de Cruzeiro com a Sentinel 167 utilizada como "vagão madrinha" entre a "Camila" e ela para as manobras

A “Joana” já desembarcada no pátio de Cruzeiro com a Sentinel 167 utilizada como “vagão madrinha” entre a “Camila” e ela para as manobras

Em breve ambas passarão por reforma e a tendência é que a “Rebeca” siga então para Passa Quatro e auxilie os trabalhos no Trem da Serra da Mantiqueira. O destino da “Joana” ainda vai ser estudado.

Anúncios
 
6 Comentários

Publicado por em 23 de março de 2016 em Uncategorized

 

6 Respostas para “Locomotivas GE 44 Ton

  1. Julio Moraes

    24 de março de 2016 at 6:13

    Fica até difícil comentar mais este incrível êxito da ABPF – Sul de Minas. Há muito tempo a qualidade dos serviços prestados tornou-se altamente profissional, e esta política de aquisição de material de tração termina de comprovar o acerto da administração. Sorte do Brasil, que tem uma entidade como esta!

     
    • bcsanches

      24 de março de 2016 at 9:19

      Oi Julio,

      ficamos muito felizes em ouvir estas palavras de um pioneiro da ABPF e restaurador gabaritado como você! Muito obrigado!

       
  2. almyr pereira de rezende

    22 de abril de 2016 at 10:23

    Bom dia Sanches !- Faço das palavras do Sr Julio, também as minhas.
    Me parece que essas locomotivas, são de bitola larga (1.60m), serao rebitoladas para
    operarem em Passa Quatro?
    Caso positivo, acredito que não será muito difícil.
    O que acha?
    Abraço.
    almyr/bsb/df

     
    • bcsanches

      22 de abril de 2016 at 10:33

      Olá Almyr,

      muito obrigado!

      Sobre rebitolar por enquanto fora de cogitação. Elas são bem limitadas e lentas, não serviriam para puxar o trem em um trajeto como o de Passa Quatro, então não vale o custo / esforço para rebitolar!

      Abraços

       
      • Julio Moraes

        24 de abril de 2016 at 20:14

        Caros, se bem entendi, a “Rebeca” é de bitola métrica e portanto não requer rebitolagem para trafegar na linha de Passa Quatro, conforme está explicado no post original da ABPF-Sul de Minas. E a “Joana” é de bitola larga e terá o seu destino decidido posteriormente. Confere, Bruno?

         
      • bcsanches

        24 de abril de 2016 at 20:29

        Oi Julio,

        ainda não esta sacramentado, mas ela pode vir a ser rebitolada ou quem sabe ir parar em Guararema para fazer apoio ao trem. Tem mais novidade vindo e dai que vamos definir tudo.

        Um outro detalhe interessante: fuçando na rebeca (que aliás já esta funcionando) vimos que era também era bitola larga e em algum momento foi rebitolada.

         

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: